terça-feira, 1 de agosto de 2017

HOJE REPARTO CONVOSCO O QUE ME CHAMOU A ATENÇÃO!

Desde o mês de Março que não escrevia nada neste meu Bloog,mas hoje pensei que estava no momento certo para vos falar de algo que chamou a minha  atenção?
Mas que é que a mim me chamou a atenção que a outros,não lhe tenham já chamado?
A verdade é que outros antes e melhor do que eu,já o tinham dito e escrito e foram os seus ensinamentos,as suas palavras que me fizeram pensar,que tudo o que dizemos e fazemos já outros antes de nós o tinham feito e melhor dito.
Hoje quando regressava a casa na Rua onde eu moro,deslocava-se em sentido contrário um individuo de etnia cigana,o que me fez reparar nele foi o seu olhar,olhar de pobre mas de desejo,sobre um Móvel usado, mas em bom estado,que um casal de emigrantes,tinha retirado da sua casa e deixado junto da sua porta para ser levado pelos serviços de limpeza da Autarquia para ir para a lixeira ou ser destruído.
Então este olhar,este desejo e esta necessidade de pobre, fez-me recordar um livro de( John Steinbeck BAIRRO DA LATA) Livro que trata de gente que são um pouco de tudo,mártires e homens bons,cujas vidas encerram lições de sobrevivência.
Tudo isto me trouxe ao meu pensamento um acontecimento que se passou comigo e com o meu camarada e amigo já falecido o( José Almeida conhecido na Terra como o José Pechelim) que nasceu pobre, que nunca frequentou a escola,mas ainda criança começou a trabalhar,foi operário agrícola,servente de pedreiro e pedreiro na Cooperativa Unidade De Trabalhadores,homem que foi bom marido e bom pai e meu camarada de Partido.
Um dia encontrei-ou no Jardim e ele como ler não sabia estava ansioso porque onde o Partido o seu Partido afixa os seus Cartazes tinha um cartaz novo que ele não sabia se era nosso ou se era de outros que tinham ocupado o nosso espaço e então perguntou-me se o Cartaz era nosso e o que é que lá estava escrito.
Eu olhei para ele e lá lhe dei a explicação,mas ao mesmo tempo lembrei-me da Cronica que José Saramago tinha escrito em 14 de Fevereiro de 1968 nas páginas da Capital e dedicada a sua avó Josefa Caixinha e que José Saramago mais tarde Prémio Nobel da Literatura não entendia e terminava com as seguintes palavras;"Foste bela,dizes,e bem vejo que és inteligente.por que foi então que te roubaram o mundo?Quem to Roubou?
Leiam;Leiam porque merece a pena ler,faz bem e ajuda a ver e a Compreender o Mundo

terça-feira, 7 de março de 2017

AS MULHERES,DA MINHA TERRA MERECEM,MUITO MAIS QUE UM DIA,DIA MERECEM O MELHOR QUE A VIDA LHES PODE DAR.

Elas são novas e velhas,louras e morenas,são de varias cores e de raças diferentes,são filhas,mães,netas e avós,são donas de casa,mulheres a dias,operárias,empregadas,médicas e de outras profissões,zangam-se,choram e riem,divertem-se e lutam.
Mas todas elas,seja qual a sua origem,o seu trabalho e a sua idade e para além da sua,feminilidade,são sempre mas sempre, bonitas e belas.
São assim as mulheres do meu País e da minha Terra."Campo Maior"
Hoje no dia 8 de Março,dia Internacional da Mulher,Dia mais que merecido e justo.
Divirtam-se e aproveitem este dia, porque este dia que é vosso,é um dia de Festa.
Mas foi e é um dia de muitas e violentas Lutas,que não podem nem devem ser ignoradas,porque não foi um dia oferecido,pelos detentores do poder Politico e Económico. Foi graças a muitas lutas,que travaram, e continuam a travar,pelo Trabalho, o emprego e por salários justos,  o direito à igualdade,são hoje e no passado,um mundo de vontades,sacrifício,prisão e morte,que as mulheres,através da luta,de gerações de Mulheres e de Homens,que só assim foi possível, conseguir conquistas importantes para elas,para o futuro de todos e para os avanços da própria Humanidade.
As Mulheres da minha terra,"Campo Maior" e do meu País" Portugal" merecem flores,diversões e jantares,mas não só,
Neste dia Internacional da Mulher,Elas as Mulheres merecem também o nosso respeito,admiração, e o nosso amor,por tudo o que nos dão.
Desejo-vos as maiores Felicidades,hoje e todos os dias,porque vocês Mulheres,não merece,só um dia,Merecem o Melhor DE TODOS OS DIAS.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Deixou-nos,José Leão,um amigo e um Comunista.

No dia 6,de Fevereiro,numa Segunda Feira,do Ano de 2017 ,deixou-nos o José Leão,um amigo e um Comunista, contava com 89 anos de idade,começou a trabalhar na Câmara Municipal de Campo Maior no Ano de 1930,tinha na altura 11 anos de idade,foi durante a sua vida,contabilista e Técnico de Contas de profissão.
O José Leão,foi durante a sua vida,não um homem prefeito ou que tudo sabia;era modesto e amigo, também era meu amigo e meu camarada,era por ideologia e pela prática comunista,fazia parte do Partido Comunista desde os anos de 1954,o Partido,que era o nosso, meu, dele e de milhares de homens e mulheres,que todos os dias lutam por tornar este nosso,Mundo e o nosso,País,num País melhor mais igual e justo.
José Leão teve papel activo,juntamente,com o José Pingo e com Francisco Caldeira na criação,de uma Biblioteca Clandestina,com livros de autores Anti Fascistas,que através da escrita davam combate,ao regime de Salazar e Mais tarde de Marcelo Caetano.
Livros que eram lidos,muitas vezes à luz da candeia pelos poucos que sabiam ler. serviam para despertar consciências,a todos aqueles a que outros lhes tinham roubado a Vida.
No ano de 1958,O Partido de Que José Leão, o Pingo e Caldeira faziam parte,organizou e levou Avante a Greve Geral,os trabalhadores agrícolas do concelho,pararam,lutaram, porque,queriam e conseguiram aumento de Salários na Ceifa,
Essa luta vitoriosa,trouxe também a Prisão para alguns deles e entre eles estava José Leão ,que para além de ser torturado foi parar a Caxias,perdeu o seu emprego na Câmara Municipal,e teve que procurar vida por outras paragens,esteve em Moçambique,mais tarde voltou a Campo Maior,esteve em Almada,onde a Revolução de Abril lhe trouxe a ele e ao nosso Povo a Liberdade.
Com a Revolução outras lutas vieram,onde ele deu a sua,modesta,mas importante contribuição.foi na Reforma Agrária.no Poder Local Democrata,ou no plano Associativo e Social.foi dirigente,da CURPI,Foi candidato,à Assembleia Constituinte pelo Distrito de Portalegre,foi Mandatário,candidato e autarca,no Concelho de Campo Maior,foi durante algum tempo Funcionário politico do PCP fazendo parte da Comissão Distrital de Portalegre,mais tarde foi membro das comissões Concelhias de Ponte de Sôr e de Campo Maior, tendo a responsabilidade de acompanhar e participar na vida de várias organizações,onde eu destaco a Freguesia de Degolados. Porque com o seu trabalho e o trabalho dos camaradas de Degolados A CDU ganhou pela 1ª vês A Freguesia.
O Camarada José Leão,que o Nosso Partido,fez de nós dois para além de camaradas,amigos,antes de nos deixar,no ano de 2015 publicou um Livro "A Resistência Antifascista em Campo Maior" que nos conta um pouco da sua luta,mas também e apesar dos seus 87 anos continuava a acreditar e a lutar dentro do seu Partido,pelos ideais em que acreditou e sempre lutou.
Partiste mas continuas ou nosso lado.Até Amanhã Camarada José Leão.    


quarta-feira, 3 de agosto de 2016

ÁS MINHAS AMIGAS.AOS IGNORANTES QUE SÁBIOS SÃO DEIXO-VOS COM PALAVRAS SÁBIAS DE JOSÉ SARAMAGO:

Num mundo em que o capital nos faz sábios,mesmo quando de ignorantes não passamos.
Num mundo onde quem tem dinheiro é esperto,inteligente sábio,que decide,mal;mas sempre bem, da vida muitas vezes dos seus semelhantes.
Nós os que capital não temos?
Somos todos por norma considerados, ignorantes, e se fizerem parte dos seres Mulheres, é muitas vezes pior.mas na verdade é que também todos somos sábios,mesmo quando os outros,os que nos conhecem ou não,nos julgam ignorantes.
O nosso e Único prémio Nobel da literatura,escrevia, em 14 de Fevereiro de 1968,nas páginas de A Capital,sobre a sua avó Josefa Caixinha" Tens as mãos grossas e deformadas,os pés encortiçados.
Carregastes à cabeça toneladas de restolho e lenha,albufeiras de água.
Viste nascer o sol todos os dias.De todo o pão que amassaste se faria um banquete universal"
Mais adiante escrevia" Estou diante de ti,e não entendo.Sou da tua carne e do teu sangue,mas não entendo.
Vieste a este mundo e não curaste de saber o que é o mundo.Chegas ao fim da vida,e o mundo ainda é para ti,o que era quando nasceste:uma interrogação,um mistério inacessível,uma coisa que não faz parte da tua herança:quinhentas palavras,um quintal a que em cinco minutos se dá a volta,uma casa de telha-vã e chão de barro.
Aperto a tua mão calosa,passo a minha mão pela tua face enrugada e pelos teus cabelos brancos,partido pelo peso dos carregos-e continuo a não entender.Foste bela,dizes,e bem vejo que és inteligente.
Por que foi então que te roubaram o mundo?Quem to Roubou?
Trouxe aqui estas sábias palavras de José Saramago,porque quero prestar,homenagem a muitas das minhas camaradas e das minhas amigas, muitas delas,que comigo,trabalharam e lutaram para que este nosso Mundo não roube o mundo ás muitas Josefas,que ainda existem,que são, trabalhadoras,mães e avós,gente bonita,sábia mas que contam pouco,apesar do seu imenso saber.
Mas esta homenagem não fica só pelas minhas e queridas camaradas,é também uma homenagem ás minhas,filhas,ás amigas a todas as mulheres que comigo falaram,discordaram,discutiram e me ensinaram.
A todas desejo o melhor,e lutem e não escondam o seu imenso saber,porque se lutarem e se sentirem,livres e sábias, e não ignorantes o Mundo será melhor para todos.

sexta-feira, 6 de maio de 2016

RECEBI UMA CARTA QUE ME LEMBRA,QUEM EU ERA E ONDE EU ESTAVA EM 1966.

Hoje recebi uma carta de um camarada e companheiro dos meus tempos de tropa.
Nós os dois fizemos parte da Companhia 1541 e do Batalhão de ART.1885, onde ele era na companhia, um dos dois Soldados Desempenadores " de nome António Augusto Ribeiro" e eu o Cabo Mecânico Pinheiro
Carta que me informava e dava-me a conhecer, que no dia 21 de Maio é a data em que os Ex militares,vão  comemorar o Cinquentenário da partida para Moçambique, do nosso Batalhão,para a Guerra no Ultramar.
Esta simples carta, fez-me pensar no jovem que eu era nessa altura,hoje jovem não sou,nem podia ser,tenho mais 50, Anos,Não conhecia,nem África,nem a Guerra, e muito menos os males e as injustiças da Guerra.
Cinquenta anos se passaram;Vivi acontecimentos que nem imaginava,nem podia sonhar,Tantas e tantas coisas boas e más se passaram nestes cinquenta anos.
A minha vida desde essa data,Trazendo-me algumas coisas muito más?Vou considerar que foi boa,outros,Homens e mulheres, da minha idade já hoje não estão entre nós,uns ficaram logo na guerra em que participaram, mas que não era sua;mas ali deixaram a vida.
A minha Vida foi" Boa",tive a felicidade de casar com quem amei, casar com quem,foi amiga,companheira,de bons e maus momentos, me deu prazer e 4 filhos;Filhos, que já me deram 7 netos; Para além disso,assisti e participei modestamente na Revolução de Abril.
Revolução,dos maiores acontecimentos do nosso Povo, que pôs fim à Ditadura Fascista,e trouxe,conquistas novas e a esperança de uma nova vida, um regime livre,onde viver em liberdade devia ser tão natural como respirar.
Cinquenta anos são muitos anos,e todos nós que vivemos estes anos,vimos e assistimos a muitas e diversas coisas,somos os mesmos;sem sermos os mesmos todos nós sofremos alterações,mas eu continuou a amar,  acreditar,a lutar para que este Mundo em que vivemos pode e deve ser melhor!

segunda-feira, 25 de abril de 2016

EU SOU UM HOMEM DE ABRIL

Hoje comemora-se por todo o País, o fim da Ditadura Fascista e o inicio da Revolução de Abril.
Passados 42 anos.é na verdade uma alegria ver homens,mulheres,que  fizeram parte da união Povo/MFA,e hoje poder assistir e ver muitos jovens que hoje defendem os valores de Abril que nasceram e viveram sempre,em Liberdade,e em união, hoje juntos,pelos mesmo valores,os que nasceram já depois de Abril,e os que tiveram a alegria de assistir,de participar actíva e heroicamente,nas grandes transformações da nossa Sociedade,todos juntos nas varias iniciativas populares, e não só,dispostos todos eles a continuar a luta para defender e continuar Abril.
Com a Revolução de Abril,foi o Fim da Guerra Colonial, passou  a haver Eleições Livres,chegou o Poder Local Democrático,o direito de poder eleger e ser eleito,vieram as liberdades,com Sindicatos livres, representativos e defensores,dos trabalhadores,  o direito a Manifestações e Greves,como o direito de dizer sim e não,com a revolução de Abril,com a dinâmica só possível e impriscindivel em período Revolucionário, criaram-se e legalizaram-se os Partidos Políticos ,a Reforma Agrária, as Nacionalizações os direitos,que a Constituição consagra,como o direito ao Ensino,Saúde,Segurança Social o direito de viver em Liberdade
Felizmente não  estou só.comigo e de todas as idades e profissões, estão,homens e mulheres.

 Eu sou um homem de Abril !

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Porque eu fiz anos? 

Porque fazer anos,é também,o momento de fazer o balanço da nossa vida vivida passada,e também pensar que vai ser o Futuro!

Eu ao fazer esta bonita idade,de 72 anos, a minha memória trás-me o que eu que criança fui,eu que joguei,ao Mocho, ao Berlinde e ao Salta la Una,que joguei à bola,calçado mas na maioria das vezes descalço,nos estádios, do Mártir Santo ,do Castelo e na Portas da Vila, que subi,árvores, escalei,muros e Muralhas que fui aos grilos e aos pássaros,que lancei Papagaios,que participei no rebusco da Azeitona,Eu que fugia há Escola,que não ia há catequese.
Este fui eu,enquanto criança, passava muito tempo junto e debaixo do Arco da Porta da Vila,ali paravam homens,poucos cultos mas todos eles sábios,que tinham estado em França na I Guerra Mundial,e paravam outros homens,que não estando nessa Guerra,conheciam,homens e mulheres, muitos deles, que tinham sido participantes,activistas e vitimas,da Guerra Civil em Espanha,a fome a Prostituição,o contrabando,a exploração,também a PIDE e o conhecido   Seixas,estiveram e foram,gente que no mau sentido e no pior, foram protagonistas,do pior que este concelho,conheceu,a PIDE e Seixas fizeram,no Largo do Terreiro,na casa que depois de Abril foi,Centro de Trabalho do PCP,Prisão e local de interrogatórios,.Como tornaram os Antigos Celeiros da EPAC,onde hoje existe o Centro Cultural,como Prisão dos Espanhóis,que vinham fugidos da Guerra,que depois eram repatriados,para Espanha, muitos deles presos,ou fuzilados na Praça de Touros em Badajoz, pelos homens de Franco.
Essas eram conversas que os mais velhos,nos diziam nas Portas da Vila.E que nós os mais novos,ainda crianças escutávamos com toda a atenção.(isso fez de alguns de nós o que hoje somos)
Depois vamos-nos lembrando,da escola e dos companheiros desse tempo,dos 1º dias de ir,para a oficina do Mestre Cócó, aprender o oficio de Serralheiro Mecânico,vem-nos à memória as mulheres de hoje e meninas daquele tempo,as namoradas que queria-mos,as que nós namoramos,e que outros namoraram, depois lembramos-nos da ida para a Tropa,dos quartéis por onde andámos,dos novos amigos e novas gentes que conhecemos,e depois conhecer viver, dos piores momentos das nossas vidas,como foi a Guerra Colonial,onde muitos perderam o que de mais belo e importante tinham, a vida,e outros nunca mais foram os mesmo.
Mas na verdade,também tivemos o prazer e a alegria de viver coisas belas e maravilhosas,e para os que vivos ainda hoje estamos.Nós tivemos, e participamos, assistimos ao que de mais belo se deu no nosso Portugal que foi o 25 de Abril e a Revolução dos Cravos que no próximo dia 25 faz 42 ANOS.